Dieta Balanceada

Dieta balanceada: grande aliada de quem tem lúpus

Alguns medicamentos usados no tratamento do lúpus eritematoso sistêmico (LES) às vezes causam efeitos colaterais como o aumento dos níveis de gordura no sangue (colesterol e triglicérides), pressão alta (hipertensão), obesidade, diabetes, osteoporose e problemas gastrointestinais 1-3, informações que você pode acessar em Adesão ao tratamento é fundamental para a qualidade de vida.

Para melhorar o sistema imunológico, reduzir os fatores inflamatórios e os riscos de doenças causadas também pelos efeitos da medicação, o paciente deve seguir uma dieta equilibrada que favoreça a manutenção do peso adequado e o controle de calorias1, 2.

Um cardápio saudável:

Especialistas recomendam às pessoas que têm LES o consumo diário do ácido graxo Ômega 3, que possui funções anti-inflamatórias e de proteção cardiovascular, presente em óleos de peixe, de linhaça, canola, azeite, salmão e sardinhas1.

Alguns alimentos contêm outro tipo de ácido graxo, o Ômega 6, como o óleo de milho, de soja, de girassol, de algodão, de açafrão, a semente de papoula e qualquer composto que contenha alfafa. Essa gordura piora a atividade inflamatória do LES e, por isso, não deve ser consumida1.

Também é preciso estar atento às vitaminas, principalmente a D. Cenoura, abóbora (vitamina A), cereais integrais, castanha do Pará, nozes e peixes (vitamina E e selênio) protegem o organismo contra infecções por vírus e bactérias, além de reduzir a atividade inflamatória da doença1, 3, 4.

O cálcio é importantíssimo, já que, por terem sensibilidade aos raios ultravioletas, os pacientes não devem expor-se ao sol, um agente importante no combate à osteoporose. Por isso, laticínios, couve e espinafre precisam fazer parte das refeições1.

O alerta é para os alimentos que contêm sódio (temperos industrializados, sopas prontas, tempero do macarrão instantâneo, frios, enlatados, conservas, margarina com sal, salgadinhos de pacote e uso excessivo de sal no preparo dos alimentos) que podem agravar a doença1.

Frituras, carnes gordas, camarão, frutos do mar, miúdos de frango, maionese, bacon, embutidos em geral, queijos gordurosos, sorvetes à base de leite e chocolate em excesso devem passar longe do cardápio de quem tem LES1.

Vale lembrar que o uso excessivo do açúcar (o industrializado e o presente, por exemplo, na mandioca), além de aumentar o peso e as taxas glicêmicas, inibe o funcionamento do sistema imunológico. Por outro lado, o uso de adoçantes à base de ciclamato de sódio e sacarina sódica aumenta a pressão. Melhor substituí-los por aspartame ou sucralose1.

Nos eventos festivos, os refrigerantes light ou zero podem ser consumidos moderadamente, mas se devem evitar bebidas alcoólicas. Café, chás e refrigerantes que contenham cola prejudicam a absorção do cálcio, logo, é melhor não fazerem parte da dieta1.

Alguns alimentos aumentam a fotossensibilidade dos pacientes com LES. Por isso, restrinja o consumo de limão, lima, figo, aipo e salsa1.

O importante é realizar cinco a seis refeições diárias, mantendo moderadas quantidades de alimentos em cada uma delas. Vale ressaltar que a maioria das indicações alimentares para quem tem lúpus é a mesma para qualquer indivíduo que queira prevenir-se de várias doenças1.

Na dúvida sobre o que você pode ou não consumir, fale com o seu médico ou nutricionista, que irá orientá-lo adequadamente para que você possa ter uma alimentação saudável que o ajude a controlar os sintomas e os efeitos da doença. Se quiser conhecer mais sobre o LES, acesse O que é lúpus.

Referências bibliográficas